3.1.18

O POETA


Quando um poeta fala de árvores, 
de pássaros, de rios, de vida, 
o que menos importa é a língua em que o faz. 
Sempre há-de haver quem o entenda, 
alguém que cresça como árvore, 
cante como pássaro, corra como rio,
e viva.


Licínia Quitério

Sem comentários:

arquivo

 
Site Meter