8.1.17

PENAS


No fio dos dias há gargalhadas
das aves de arribação
que vão
que voltam
que vão.
A minha cabeça roda
a procurar montanhas.
Uma pena debaixo da almofada.
Uma pena no negro do café.
E eu perdida no veludo da noite.
Os anjos cantam
riem.
E eu perdida entre o sorriso e o soluço.
E eu a despertar
a adormecer.
O fio dos dias a compor o signo do infinito
igual a sempre
igual a nunca.
E eu perdida
desigual.

Licínia Quitério

2 comentários:

Graça Pires disse...

E eu perdida neste teu poema, tão belo...
Um beijo, minha amiga.
Uma boa semana.

Licínia Quitério disse...

E a nossa amizade nunca se perde. Bom ano para ti e para os teus.

arquivo

 
Site Meter