28.1.17

AS ROSAS



Nos sonhos da manhã
outros sonhos navegam.

Em confusão, por vezes.
Por vezes, limpidez.
Leve o desejo de ficar
por mais um tempo
ou para sempre
na morna fantasia
entre a recta e a curva
entre o sol e a sombra.

Livres do nevoeiro
nos sonhos da manhã
chegam as rosas.


Licínia Quitério

3 comentários:

LuísM Castanheira disse...

Um equilíbrio perfeito na manhã que acontece...
E um belo poema no perfume expandido.
Um abraço

Mar Arável disse...

Se forem vermelhas

Graça Pires disse...

Chegaram as rosas ao "sítio do poema"...
Um beijo, Licínia.

arquivo

 
Site Meter