13.11.15

NOVO LIVRO


2.11.15

ENTRO NA TARDE


Entro na tarde devagar como na casa 

ou em corpo ou terra mansa.
Caminhar até liquefazer a pedra, 

até o choro ser igual à renda, igual à pluma.
Convocar os anjos subterrâneos, 

sabê-los a adejar, a iluminar as nuvens.
Quando entro assim na tarde, penso 

castelos que já possuí e derrubei, 
no excesso branco das manhãs.
Levantado o ferro, ignorado o fosso, 

vencidos os canhões e as correntes, 
entro na tarde com os meus pés de cera, 
nela me deito e corro e grito e voo.
Um cavalo relincha nas alturas, 

espantado pelo pasto novo que só a tarde cria.
Tudo isto eu inventei porque alguém 
me ensinou a entrar na tarde como se fosse casa. 
De corpo ou terra mansa eu aprendi depois, 
quando me achei na esquina do Outono, 
anunciado o Inverno e eu à rédea solta, 
devagar, a adiar a confissão da noite.

Licínia Quitério 

arquivo

 
Site Meter